REDE DOS EMISSORES PORTUGUESES

Associação Nacional de Radioamadores
Instituição de Carácter Científico e de Utilidade Pública
Secção Portuguesa da IARU desde 1931
 

  O Código RST:

Este código foi criado para que os radioamadores pudessem dar aos seus colegas, uma rápida reportagem dos sinais recebidos nas comunicações em telegrafia.

RST são as iniciais de três palavras inglesas: READABILITY ( legibilidade ), STRENGHT ( intensidade ) e TONE ( tonalidade ) características referentes ao sinal transmitido. A escala de legibilidade vai de 1 a 5, enquanto que as outras duas, intensidade e tonalidade, vão de 1 a 9.  A utilização do código RST deve ser feita da seguinte maneira: transmite-se a sigla RST acompanhada de três números, que indicam as características das três escalas. Por exemplo, RST 587 significa: "seus sinais são copiados perfeitamente, os sinais são fortes e a nota (tonalidade) é de CC com algum zumbido" (R=5, S=8 e T=7). Sempre que enviamos R diferente de 5, devemos informar ao colega o motivo (QSB, QRM ou QRN) pelo qual não conseguimos copiá-lo perfeitamente. QSB é a variação na intensidade dos sinais devido ao desvanecimento (fading); QRM é a interferência produzida por outras estações; QRN são ruídos naturais ou artificiais (estáticos, atmosféricos, motores eléctricos, etc.).

Vejamos um exemplo: A reportagem enviada RST 479 QRM significa "recebo os seus sinais com alguma dificuldade por causa do QRM (interferências); os sinais são moderadamente fortes e possuem tonalidade de CC pura". 

O código RST é usado apenas em radiotelegrafia (ou CW). Por outro lado, em radiotelefonia (ou fonia) também podemos utilizar tal código, mas reportando unicamente a legibilidade (R) e a intensidade (S). Se necessário pode-se ainda fornecer ao colega as informações relativas à qualidade da modulação: grave, aguda, estridente, etc.



LEGIBILIDADE
1—Ilegível.
2—Apenas legível, algumas palavras distinguíveis.
3—Legível com dificuldade considerável.
4—Legível praticamente sem dificuldade.
5—Perfeitamente legível.


INTENSIDADE DO SINAL
1—Sinais débeis, apenas perceptíveis.
2—Sinais muito fracos.
3—Sinais fracos.
4—Sinais bons.
5—Sinais razoavelmente bons.
6—Sinais bons.
7—Sinais moderadamente fortes.
8—Sinais forte.
9—Sinais extremamente fortes.


TIMBRE
1—Cinquenta ciclos alternos ou menos, muito áspero e grosseiro.
2—Timbre alterno rouco, muito áspero e grosseiro.
3—Timbre alterno, rectificado mas não filtrado.
4—Nota áspera, vestígios de filtragem.
5—Alterno rectificado e filtrado mas modulado com muito "ripple".
6—Tom filtrado, modulação com "ripple" vincada.
7—Tom quase puro, vestígios modulação com "ripple".
8—Tom quase perfeito, modulação residual.
9—Tom perfeito, sem vestígios de modulação.


Webmaster CT1END